desenvolturasedesacatos

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS.
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"








Acerca de mim

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Email das Finanças sobre limpeza de terrenos está a gerar o pânico


Um email da Autoridade Tributária enviado aos contribuintes com ameaças de multas para quem não limpar os seus terrenos, no âmbito da campanha contra os fogos, está a lançar o “pânico” e a levar alguns proprietários a abaterem até árvores de fruto e de jardim.
Em declarações ao Público, várias fontes lamentam que a “divulgação simplista da lei sobre a limpeza dos terrenos e a ameaça de multas está a levar a que se abatam até árvores de fruto”.
“As pessoas estão a cair no exagero, criou-se o pânico e há quem esteja a arrancar árvores de jardim, são asneiras atrás de asneiras“, nota o presidente da Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (Anefa), Pedro Serra Ramos.
O presidente da direcção da Associação Florestal do Vale do Sousa, Américo Mendes, acrescenta ao mesmo jornal que “está tudo em pânico” com o email e com uma lei que deixa espaço para muitas dúvidas.
E o PCP, através do deputado João Ramos, nota na TSF que já foi contactado por idosos assustados com o email das Finanças. Os comunistas acusam, assim, o Governo de estar a lançar um “alarme injustificado”.

Fisco avisa que as multas são a dobrar

No email em causa, o Fisco está a avisar os contribuintes de que têm até 15 de Março para limpar o mato e cortar árvores nas proximidades de casas e aldeias, podendo vir a ser multados se não o fizerem. Este email está a ser enviado a todos os contribuintes, mesmo aos que não detêm terrenos inseridos em espaços rurais.
Na mensagem, o Fisco afirma que “é obrigatório” limpar o mato e cortar árvores 50 metros à volta das casas, armazéns, oficinas, fábricas ou estaleiros, e 100 metros nos terrenos à volta das aldeias, parques de campismo, parques industriais, plataformas de logística e aterros sanitários.
É obrigatório também limpar as copas das árvores quatro metros acima do solo e mantê-las afastadas pelo menos quatro metros umas das outras, e cortar todas as árvores e arbustos a menos de 5 metros das casas e impedir que os ramos cresçam sobre o telhado.
Quem não tomar estas medidas até 15 de Março, pode ser sujeito a multas que “podem variar entre 140 a 5 mil euros, no caso de pessoa singular, e de 1.500 a 60 mil euros, no caso de pessoas colectivas”, frisa a nota do Fisco, realçando que “este ano são a dobrar”.
No Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), ficou estipulado o regime excepcional das redes secundárias de faixas de gestão de combustível, definindo que a limpeza deve ocorrer até 15 de Março e que as multas serão o dobro, ou seja: até 10 mil euros no caso de pessoa singular e até 120 mil euros no caso de pessoas colectivas.
O decreto-lei 124/2006, de 28 de Junho, que estabelece as medidas e acções a desenvolver no âmbito do Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, define que os “proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que, a qualquer título, detenham terrenos confinantes a edifícios inseridos em espaços rurais, são obrigados a proceder à gestão de combustível“.
Este ano, e até 31 de Maio, as Câmaras Municipais podem substituir-se aos proprietários na limpeza do mato, sendo que os proprietários são obrigados a permitir o acesso aos seus terrenos e a ressarcir a Câmara do valor gasto na limpeza, recorda o Fisco na citada comunicação.

“Mais um negócio do fogo”

A comunicação do Fisco e a campanha geral que tem sido levada a cabo pelo Governo com vídeos e folhetos está a ser muito criticada por vários especialistas que consideram que o futuro da floresta pode estar em risco.
“Há milhares de árvores em risco de serem abatidas no país desnecessariamente”, alerta o Público, citando fontes que consideram que tudo isto pode ser “pior que os incêndios” para a floresta.
Já Pedro Serra Ramos teme que surja aqui “mais um negócio do fogo”, com empresas a aparecerem dispostas “a cortar tudo, sem qualquer conhecimento técnico”, o que poderá acabar por ser “mais destrutivo que os fogos”, salienta.
“A tendência é para limpar raso e isso vai deixar os terrenos expostos a uma erosão brutal”, lamenta por seu turno o biólogo Nuno Oliveira, também ouvido pelo Público, considerando que há o risco de destruir “espécies autóctones, protegidas, que têm valor patrimonial” e que “vai abrir-se caminho à entrada das infestantes”.
Por outro lado, a própria lei merece reparos e há especialistas que falam em “erros técnicos” que podem até levar a que “cresça mais mato” e a “aumentar a velocidade do vento e a secura, o que irá ajudar as chamas a progredir”, como explica o engenheiro florestal da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Paulo Fernandes, ao mesmo diário.
Certo é que proprietários e Câmaras Municipais não têm meios para cumprir a lei atempadamente. E há quem peça uma abordagem diferente ao problema, apelando a que sejam dados incentivos para se proteger a floresta. É isso mesmo que sublinha a petição “Cuidar de quem cuida da floresta” que defende a reapreciação da Lei e a “reorientação das prioridades e dos recursos afectos à política florestal”.


https://zap.aeiou.pt

Você Está Sendo Programado: 5 Maneiras Pelas Quais Seus Pensamentos Estão Sendo Conduzidos contra seu Próprio Interesse


Há muitos exemplos na história do controle mental sendo usados para influenciar as massas para que elas se curvem à vontade dos que estão no controle. Atualmente, como o site Activist Post aponta, o controle da mente se expandiu para além do puramente psicológico para incorporar um aspecto tecnológico também. A boa notícia é que, conscientes desses métodos, você pode evitar ou, pelo menos, reduzir seus efeitos até certo ponto.


Publicidade e propaganda

À medida que a mídia continua a consolidar, as linhas estão embaçadas entre o governo e a estrutura corporativa. Notícias, televisão, filmes e impressos podem trabalhar juntos para enviar uma mensagem que parece ser verdade simplesmente porque tantas fontes relatam o mesmo. Com as vidas cada vez mais ocupadas, as pessoas não têm tempo para fazer o esforço para se aprofundarem no que é verdade e o que não está entre todas as informações com as quais somos constantemente bombardeados, e pode ser mais fácil simplesmente aceitar o que nos dizem sobre temas como vacinas, gripe e pesticidas. Muitas vezes, essas mensagens são mesmo tomadas um passo adiante e também enviadas subliminarmente.



Água, ar e alimentos

Outro método moderno de programação mental é o uso de aditivos venenosos presentes em nossos alimentos que alteram a química do cérebro das pessoas para torná-las mais dóceis. Por exemplo, o glutamato monossódico (GMS) e o aspartame, essencialmente, matam as células do cérebro por excesso de estimulação, e eles são tão amplamente distribuídos que estamos vendo a população se tornar cada vez mais desmotivada e distraída. O flúor que é regularmente colocado na água potável das pessoas, entretanto, foi provado diminuir o QI. Mesmo aqueles que são mais conscientes de evitar alimentos processados ​​ainda estão vulneráveis ​​aos pesticidas pulverizados em produtos agrícolas.



Educação

Muitas pessoas reclamam que a juventude de hoje é muito menos inteligente em muitos aspectos do que as gerações mais velhas, e isso pode não ser um acidente. Afinal, emburrecer as pessoas torna muito mais fácil impor sua vontade sobre elas.



Medicamentos

Os medicamentos são uma maneira conveniente de controlar as pessoas, e muitas vezes, são as próprias pessoas que os buscam depois de terem se convencido, de alguma forma, que têm algo de errado com elas. A psiquiatria é considerada por alguns como um dos maiores facilitadores do controle mental moderno, pois ela tenta definir todos com base em seus distúrbios e não em seus atributos positivos. Com mais de um quarto das crianças americanas que agora estão tomando medicamentos psiquiátricos, está se tornando um modo de vida normal para a próxima geração.


Testes militares

É um fato infeliz que o soldados homens e mulheres tenham sido submetidos ao controle mental e às experiências médicas. Quando você pensa sobre isso, as pessoas dos serviços militares tendem a ser aqueles que respondem bem à estrutura e obediência, e o treinamento implica seguir ordens sem resistência.

Há muitos outros métodos de controle mental que estamos vendo sendo utilizados em toda parte, desde a religião à política, aos esportes e computadores e até o espectro eletromagnético. Nós estamos vendo o desenvolvimento da inteligência artificial (IA) que pode essencialmente ler sua mente e decodificar seus sinais cerebrais, e é assustador pensar em onde isso pode chegar. É hora de acordar para o que realmente está acontecendo ao seu redor, se você quiser ter uma chance de salvar seu livre arbítrio.


 http://www.anovaordemmundial.com

Habitantes da aldeia, na Sertã, estão sem telefone fixo ou rede de telemóvel - Mulher morre sem auxílio onde a Altice ainda não repôs comunicações


Uma mulher morreu em casa enquanto o marido caminhava dois quilómetros para conseguir fazer uma chamada telefónica, numa aldeia da Sertã. O episódio dramático confirma denúncias de abandono das populações pela Altice.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/doc.20171016.23114014.pn_25_20171016.jpg?itok=RR1oaoyE
Créditos
O óbito terá ocorrido na passada semana, de acordo com a Rádio Condestável, na aldeia de Vale de Ameixoeira, freguesia de Troviscal (Sertã). O facto de ainda não estarem reestabelecidas as comunicações na zona e de não existir rede de telemóvel terá sido determinante, já que o marido da vítima teve de caminhar cerca de dois quilómetros para pedir auxílio.
A situação não é nova, mas assume agora contornos de tragédia. A confirmação de uma vítima mortal põe a nu as consequências da privatização da Portugal Telecom (actual Altice Portugal) e a entrega de um sector tão sensível como as telecomunicações aos privados.
Em reacção, a Altice argumenta que já refez 99,5% das ligações cortadas pelos fogos. Quatro meses depois, a empresa justifica o atraso com a dificuldade em contactar com alguns clientes que, recorde-se, ficaram sem telefone fixo e, nalguns casos, vivem em zonas sem rede de telemóvel.
Têm ainda sido noticiadas tentativas por parte da Altice de, à boleia da substituição da rede de cobre por fibra óptica, impor pacotes que incluem televisão a clientes que apenas tinham telefone fixo, com mensalidades mais elevadas.
O tema já foi levado à Assembleia da República pelo secretário-geral do PCP, num dos últimos debates quinzenais. Na altura, como agora, a Altice isentou-se de quaisquer responsabilidades, atirando-as ora para os clientes, ora para a NOS, com quem o Estado assinou o contrato de serviço público em 2014.

www.abrilabril.pt

OLHÓ AVANTE ! - OS INACTIVOS



Anabela Fino 

Os inactivos
A cena mediática nacional é hoje palco privilegiado da actividade frenética a que se dedicam uns espécimes que a si próprios se classificam de inactivos, isto é, dos que dizem «estar fora da vida política activa». De José Miguel Júdice a Santana Lopes, de Marques Mendes a Cavaco Silva, só para citar alguns exemplos, é ver como todos se desunham a perorar sobre os «casos» colocados na ordem do dia pela agenda económica/política/social do capital.

Refastelados nos seus cadeirões de comentadores ou em poses para a posteridades, coloquais uns, mais doutorais outros, todos debitam em nome da democracia sobre os problemas do povo e do País como se estivessem isentos de responsabilidades, quais virgens sem sombra de pecado, e apontam caminhos que a ser seguidos só poderão levar ao desenvolvimento e ao progresso, apesar de terem a particularidade de serem os mesmíssimos trilhados ao longo de décadas com resultados sempre em desfavor dos suspeitos do costume.

Nesta lavandaria self-service, autêntica barrela de passados mais ou menos longínquos, Júdice já não é o antigo fundador do contrarrevolucionário MDLP onde a extrema-direita se acoitou para combater o 25 de Abril, de onde passou para o PSD, partido em que permaneceu até se aproximar do CDS, primeiro, e do PS, depois, em eleições autárquicas, acabando a apoiar Marcelo nas presidenciais. Do mesmo modo, Marques Mendes lixiviou um longo passado como autarca, deputado, ministro de Cavaco Silva (de 1985 a 1995) e de Durão Barroso (2002 a 2004), e dirigente do PSD. Poderíamos continuar por aqui que havia pano para mangas, mas seria ocioso.

O que importa mesmo referir é que estes políticos da política de direita, dizendo não estar no activo, intervêm activamente como fazedores da opinião publicada, seja para falar sobre a «insustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde e do sistema de Segurança Social» ou ameaçar contar o que dirigentes socialistas lhe disseram no passado «sobre o Bloco de Esquerda e o PCP», como fez Cavaco em entrevista recente ao Expresso, seja nos recados semanais transmitidos nos comentários televisivos e replicados depois abundantemente em jornais, revistas e sítios electrónicos. A tónica mais recente, comum a praticamente todos, a propósito do congresso do PSD e até a despropósito, é a entronização da dupla Cavaco Silva / Passos Coelho em que todos parecem agora apostados. Afinal terão sido eles os salvadores da Pátria, o empobrecimento forçado e brutal de milhões de portugueses foi uma forma de progresso, os despedimentos em massa uma inevitabilidade para o crescimento da economia, etc., etc., etc.

Nesta corrida para ver quem lava mais branco, Marques Mendes, que foi ao congresso do PSD «matar saudades», deixa «uma palavra de agradecimento» a Passos Coelho pelo «legado na história do PSD e na história do País», e já anuncia que Luís Montenegro será líder do partido, não se sabe é quando.

Se isto é um inactivo, imagine-se o que seria se estivesse em actividade.

www.avante.pt


DEMOLIÇÕES NA RIA FORMOSA. PROJECTO DE RESOLUÇÃO DO PCP FOI CHUMBADO COM OS VOTOS CONTRA DO PS E A ABSTENÇÃO DE PSD/CDS






Hoje, na Assembleia da República, foi votado o Projeto de Resolução do PCP "Pelo fim das demolições nas ilhas-barreira da Ria Formosa". Foi chumbado com os votos contra do PS e a abstenção de PSD e CDS. Estes partidos mostraram claramente, para quem ainda tivesse dúvidas, que querem prosseguir as demolições e expulsar os moradores das ilhas-barreira. Dizem, manhosamente, que são só 22 casas e que depois param. Mas a seguir a estas 22 virão mais 22 e outras 22 e mais 22, até não restar nenhuma casa. Nessa altura, as ilhas estarão "limpas" e prontas para entregar aos grandes interesses económicos. Adaptando um poema de Bertold Brecht a esta situação:

Primeiro demoliram aquela casa,
Mas eu não me importei
Porque não era a minha.
Depois demoliram outra casa,
Mas eu não me incomodei
Porque não era a minha.
Agora vêm demolir a minha casa
E quando percebi,
Já era tarde.

Iniciativa




Projeto de Resolução 1335/XIII
Pelo fim das demolições nas ilhas-barreira da Ria Formosa [formato DOC] [formato PDF]
Autoria

2018-02-16 |  Entrada

2018-02-19 |  Admissão

2018-02-19 |  Baixa comissão para discussão
Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação - Comissão competente


Votação na Reunião da Comissão n.º 138 em 2018-02-20
Aprovado 
     
2018-02-21 |  Anúncio

2018-02-22 |  Votação Deliberação
Votação na Reunião Plenária n.º 51
Rejeitado 
Contra: PS
Abstenção: PSDCDS-PPPAN
A Favor: BEPCPPEV



Homens e gaitas, não se medem aos palmos


Vídeo enviado pelo David Encarnação

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Rui Rio: Um aspirante a ditador…




Rui Rio: Um aspirante a ditador…

Eu não quero meter-me na "chinfrineira" do PSD, nem tomo partido pelos "chefes" de cada facção. Entre eles, venha o diabo que escolha. São todos maus e venenosos. Mas, neste caso, o da não convocação de Hugo Soares para a reunião da Comissão Política do PSD, na qual, por inerência, ele tem assento, como presidente do grupo parlamentar, não posso deixar de criticar as declarações de Rui Rio, que justificou a exclusão do deputado, com ridículo argumento de que ele está demissionário daquela presidência e que a reunião iria ocupar-se apenas de assuntos políticos estratégicos do partido e não de assuntos de gestão corrente.

Ora, eu julgo que, estatuariamente, o presidente do grupo parlamentar não tem apenas assento nas reuniões da comissão política, cuja agenda apenas seja dedicada a assuntos de gestão corrente. Tem assento em todas.

E o facto de se encontrar na condição de demissionário, os seus poderes no cargo mantêm-se inalterados até ser substituído.

Rui Rio começou a mostrar o dedo e a unha de um aspirante a ditador... (ver aqui

 Alexandre de Castro

alpendredalua.blogspot.pt